PRÁTICAS DE ENCANTAMENTO

Essa oficina é uma aventura por outras lógicas. É um passeio pelo outro lado. O lado das coisas, das matérias. Onde me perco e me encontro também como coisa e matéria. É uma jornada por terrenos instáveis, movediços, moles e cheios de buracos, onde podemos tecer sensações concretas e criar outros sentidos. São práticas de encantamento da matéria e dramaturgias construídas a partir dela. Encantamento como essa estranha combinação entre o deleite e a perturbação. É uma busca por lógicas menos racionais e mais sensoriais.

A oficina reúne um repertório pessoal de exercícios, ações e experiências coletados ao longo de anos, em diversas partes do mundo. Inclui também alguns princípios coreográficos, e estratégias de ação nos quais venho trabalhando. Compilo aqui meus estudos práticos e teóricos em torno do que tenho chamado de corpo-matéria. Um corpo que é a sua própria materialidade: carne, ossos, líquidos, pele, pelos. Um corpo que tem propriedades de matéria (peso, volume, textura, cheiro, temperatura, cor) e que encontra sua presença no mundo através do encontro (ou do choque) com outras matérias. Um corpo erótico e sem cabeça (nos termos de George Bataille), que se relaciona com tudo que está em volta através da proximidade, do toque, de atravessamentos.

E a aventura de viver esse corpo num mundo material onde as coisas possuem a estranha habilidade de exceder seu status de objeto.