amarelo

Uma experiência sensorial entre massa, pele, plástico, espinhos, goiabada; entre toque, gosto, cheiro. As formas e imagens geradas nessa experiência não são uma conclusão mas um evento, um manancial de passados e futuros possíveis. Elas surgiram na prática e se tornaram o princípio ativo de uma trajetória: a contingência do fazer, desmanchar, transformar… Um convite ao Outro que observa: para uma imagem é preciso ser dois.
uma peça de e com Elisabete Finger | colaboração e olhar exterior Joana von Mayer Trindade | assistência e acompanhamento Ricardo Marinelli | desenho original de luz Harrys Picot e Fábia Guimarães | projeto gráfico e ilustração Gustavo Bitencourt | fotografia Alessandra Haro | produção Cândida Monte/Well Guitti e Carolina Goulart
Um projeto Couve-Flor Minicomunidade Artística Mundial

 

 

In amarelo (yellow), I’m searching for an event-body, in relation and in situation. A sensitive experience among dough, skin, plastic, thorns, guayava marmelade. Among touch, taste, smell. The shapes and images generated in this experience came from practice and became an active principle inside a trajectory: the contingency of doing, undoing, transforming… An invitation for the other, for the observer: to make an image, it takes two.
created and performed by Elisabete Finger | artistic collaboration Joana von Mayer Trindade | assistence Ricardo Marinelli | lights Harrys Picot and Fabia Regina |
graphic project and illustration Gustavo Bitencourt | supported by CNDC d’Angers-FR, Programa Rumos Itaú Cultural Dança 2006/2007 and Brazilian Ministry of Culture | photo by Alessandra Haro
a project by Couve-Flor Minicomunidade Artística Mundial